A greve e o mérito de quem ensina.

(Artigo publicado no jornal Notícias do Dia, 09 e 10 de julho de 2011. p.06 – original aqui)

Nessa semana a sociedade catarinense foi surpreendida pela continuidade da greve na educação. Após uma série de negociações e a garantia por parte do governo do Estado do cumprimento da lei do piso, esperava-se que os professores também se preocupassem com os alunos e retomassem as atividades. As mudanças na tabela de progressão salarial e na gratificação por regência de classe foram os motivos alegados para que a assembléia do Sinte (Sindicato dos Trabalhadores em Educação) frustrasse a expectativa geral. Como pano de fundo das reivindicações, sindicato e professores em greve alegam a preocupação com a qualidade da educação pública em nosso Estado. Mas a ausência da idéia de meritocracia nesse debate nos faz duvidar dessas boas intenções.

Recentemente uma série de reportagens exibida em rede de TV aberta comprovou presencialmente o que as pesquisas já indicavam: melhores salários não garantem a qualidade do aprendizado dos alunos. Mostrou-se que no mesmo município a remuneração dos professores na escola com o pior índice no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) não era muito diferente da remuneração na escola com melhor índice. O investimento em ferramentas educacionais (cada vez mais tecnológicas), nas famílias dos alunos e o reconhecimento do mérito dos bons professores provocam melhorias na qualidade da educação que não aparecem com o simples aumento de salário.

A verdadeira distorção salarial na educação é ver professores dedicados, preparados e freqüentes receberem o mesmo que os displicentes e faltosos, desde que tenham os mesmos diplomas e tempo de serviço. A progressão salarial acontece por tempo de serviço e pela formação continuada – e nem um nem outro são garantia de qualidade de aprendizado dos alunos. Um professor recém formado pode dar uma aula melhor que outro com 25 anos de carreira. E a formação continuada, sendo quase obrigatória para a melhoria da remuneração, muitas vezes vira um acúmulo de horas de cursos que raramente mudam a dinâmica em sala de aula.

Santa Catarina deveria transformar esse momento de crise na educação numa oportunidade de implantar a progressão por mérito. Fosse a qualidade de ensino e aprendizado o verdadeiro objetivo do sindicato, certamente o tema não passaria em branco. E os bons professores agradeceriam. A continuidade da greve provou que os objetivos são outros. Nesse cenário, falar em meritocracia certamente viraria motivo para outra paralisação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s