Obama rende mais ‘tuítes’ a Dilma que escândalos

(Fonte: O Estado de São Paulo, 15/08/2011)

Presidente ganhou mais visibilidade na rede social em março, época que coincidiu com o pico de aprovação do governo

Por: José Roberto de Toledo

Passada a superexposição da posse, os dois picos de citações do nome de Dilma Rousseff no Twitter, em 16 e 19 de março, correspondem à entrevista que a presidente deu a Hebe Camargo e, logo em seguida, ao encontro com o presidente norte-americano, Barack Obama, durante sua visita ao Brasil.

Não por coincidência, foi nessa época que Dilma alcançou seu mais alto porcentual de aprovação popular. Chegou a 56% de “ótimo” + “bom” na pesquisa Ibope/CNI concluída em 23 de março. Nem antes nem depois a presidente teve taxas de popularidade superiores a 50%. Lula não chegou a esse patamar de aprovação com três meses de governo (ele superaria essa marca bem mais à frente no mandato).

Foi o melhor momento de Dilma no Twitter e nas pesquisas de avaliação. Daí em diante, a lua-de-mel com o poder acabou e os problemas começaram a a se misturar à agenda positiva.

Em abril, a presidente teve três pequenos picos de citações no Twitter. Os motivos foram diferentes: o encontro com o pop star Bono, do U2; a visita à China; e um movimento na internet contra a construção da usina de Belo Monte que tentava influenciar a decisão presidencial.

O terceiro maior pico de citações ocorreu em 26 de maio. Foi provocado por duas polêmicas, nenhuma delas boa para Dilma: sua defesa do ainda ministro Antonio Palocci (Casa Civil), cujo patrimônio foi multiplicado dando consultorias a empresas quando era deputado; e a reação da bancada evangélica ao chamado kit anti-homofobia que o Ministério da Educação pretendia distribuir a escolas. A presidente recuou em ambos os casos.

Em 8 de maio, quando Palocci caiu e foi substituído por Gleisi Hoffmann na Casa Civil, Dilma voltou a ser muito citada no Twitter, nem sempre de maneira positiva, mas tampouco apenas de modo negativo. A situação se repetiu, mas com menor intensidade, em 5 de agosto, nas esteira da queda de outro ministro, agora o dos Transportes, Alfredo Nascimento, por denúncias de corrupção generalizada na pasta.

As mais recentes crises envolvendo denúncias de corrupção no governo, agora nos ministério da Agricultura e do Turismo, têm causado pouca repercussão envolvendo o nome de Dilma no Twitter. O gráfico mostra um pico de citações muito modesto em 5 de agosto.

A séria ininterrupta de escândalos e demissões parece ter a propriedade de diluir a atenção do público e, por consequência, perder impacto na opinião pública. Tanto é que a aprovação de Dilma, após o pico de março, permaneceu estável entre junho e o começo de agosto, quando se compara as três últimas pesquisas do Datafolha (10/06 e 04/08) e do Ibope (31/07).

Antecedentes. Numa comparação histórica, Dilma não destoa da média de aprovação que seus antecessores alcançaram por volta de seis meses de mandato. Ela tem 48% de “ótimo” + “bom” na mais recente pesquisa CNI/Ibope. Fernando Henrique Cardoso chegou a 42% de aprovação pelo mesmo instituto em junho de 1995 (primeiro mandato) e a 18% em maio de 1999 (logo após a desvalorização do real com que começou seu segundo governo).

Luiz Inácio Lula da Silva obteve marca equivalente ao rival no primeiro mandato (43% de “ótimo” + “bom” em junho de 2003) e melhor no segundo mandato (50% em junho de 2007). Dilma está se segurando no mesmo patamar de aprovação do segundo mandato de Lula, considerada a mesma época do governo.

Na pergunta “aprova ou desaprova o presidente?”, Dilma tem 67% de “aprova” contra 65% de FHC e 70% de Lula nos seus primeiros mandatos. Mas nem tudo são flores. Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, a mais forte correlação da popularidade de um presidente é com o estado da economia. Muito mais do que escândalos, pesam na opinião das pessoas seu poder de compra e as oportunidades de emprego. Consumo em alta e desemprego em baixa foram os estilingues da popularidade de Lula e Dilma. Mas os sinais no horizonte não são bons para a atual presidente.

Mais do que a crise financeira mundial, são os indicadores internos que piscam amarelo. A dificuldade de controlar a inflação preocupa a população, e o pessimismo aumenta. Nada menos do que 58% dos brasileiros esperam que a inflação cresça no futuro próximo. É um porcentual maior do que as expectativas inflacionárias nos primeiros seis meses de mandato de FHC (34% em 1995 e 50% em 1999) e de Lula (36% em 2003 e 41% em 2007).

Se as pessoas acham que os preços vão subir, há uma boa chance de a previsão se autorrealizar, pelo comportamento de manada dos mercados. Somem-se as pressões de oferta, como a prevista falta de etanol, e começam os problemas reais de Dilma.

Uma escalada inflacionária corroeria a capacidade de as pessoas consumirem. E um furo no bolso do eleitor drena muito mais popularidade de um governante do que uma dezena de escândalos ministeriais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s