A palavra de ordem é: “Fora Dilma!”

A LIBERDADE DE GENOÍNO, A DECLARAÇÃO DE BARUSCO E A PALAVRA DE ORDEM DO MOMENTO. A extinção da pena do José Genuíno acontece a partir de um ato oportunista e claramente mal-intencionado da Presidente da República. Um indulto providencial, salvador, libertador para os petistas. É um abuso. Se não existissem outros, este já seria um … Continue lendo A palavra de ordem é: “Fora Dilma!”

“O Mensalão voltou”, artigo do Instituto Teotônio Vilela

(Publicado em 14-08-13)  Oito meses depois da conclusão do julgamento, o mensalão volta hoje à pauta do Supremo Tribunal Federal. É uma boa oportunidade para que a sociedade recorde, novamente, os contornos do maior escândalo de corrupção da história política do país. E uma chance a mais para separar o joio do trigo, num momento … Continue lendo “O Mensalão voltou”, artigo do Instituto Teotônio Vilela

O direito constitucional de manifestação deve ser garatido

Ir para as ruas e manifestar livremente sua insatisfação. Mais do que um direito, este é um dever que a cidadania nos impõe. A indignação que toma conta da população não é somente pelo aumento da tarifa de ônibus, estopim superficial das manifestações das últimas semanas. A volta da inflação (refletida no aumento das passagens), … Continue lendo O direito constitucional de manifestação deve ser garatido

“Novos Getúlios”, por Rubem Azevedo Lima

(Correio Braziliense - 16/01/2012) Após trabalho sobre política no Brasil, de 1920 a 1933, ano em que Getulio Vargas criou a Justiça Eleitoral, para garantir supostas "eleições livres" à Constituinte de 1934 (23 laudas, 32 linhas de 72 toques), pensei não tratar mais dos malfeitos à nossa democracia. Além de desrespeitar decisão unânime da corte … Continue lendo “Novos Getúlios”, por Rubem Azevedo Lima

“Quem puxa o gatilho”, por César Felício.

(Por César Felício - Valor Econômico - 03/11/2011) A crença na corrupção intrínseca da atividade política é um dos eixos que parece unir a humanidade em todo o planeta. Ela se sustenta em elementos concretos: nos sistemas democráticos, a competição eleitoral pelo poder torna o financiamento das campanhas um problema e nos sistemas autocráticos, cada … Continue lendo “Quem puxa o gatilho”, por César Felício.

“A lógica é de governo limpo com política suja”, diz analista (“Na mosca!”, digo eu)

(Por Cristian Klein - Valor Econômico - 27/10/2011) Diferente de Luiz Inácio Lula da Silva, no estilo, na simpatia que desperta nas elites, mas chefe de um governo de continuidade e conservador. Foi assim que o cientista político Luis Felipe Miguel, da Universidade de Brasília (UnB), sintetizou os dez primeiros meses da presidente Dilma Rousseff, no … Continue lendo “A lógica é de governo limpo com política suja”, diz analista (“Na mosca!”, digo eu)

“Lula para sempre”, artigo do historiador Marco Antônio Villa, n’O Globo

(Marco Antônio Villa - O Globo, 25/10/2011) Luiz Inácio Lula da Silva não é um homem de palavra. Proclamou diversas vezes que, ao terminar o seu mandato presidencial, iria se recolher à vida privada e se afastar da política. Mentiu. Foi mais uma manobra astuta, entre tantas que realizou, desde 1972, quando chegou à diretoria … Continue lendo “Lula para sempre”, artigo do historiador Marco Antônio Villa, n’O Globo

Presidencialismo de coalizão + lulopetismo= Presidencialismo de Corrupção

Foi muito feliz o autor do artigo com o título "Presidencialismo de Corrupção". É a tradução mais clara e explícita da soma de dois males: "presidencialismo de coalizão" + lulo-petismo. _________________________________ Presidencialismo de corrupção ajuda Dilma. (Por: Cristian Klein - Valor Econômico - 07/07/2011) Os seis meses do governo Dilma Rousseff já são quase suficientes para … Continue lendo Presidencialismo de coalizão + lulopetismo= Presidencialismo de Corrupção

“Somo tudo palaciano”, por Roberto DaMatta.

(O Globo - 01/06/2011) Com o devido respeito, mas nessa era petista, quando misturamos o pior do mercado com o mais desonesto estatismo, o caso Palocci ultrapassa a trivial suspeita de enriquecimento indébito. Ele contempla aspectos típicos do lulopetismo, bem como o passado do suspeito, mas vai adiante. Mais uma vez ele nos põe diante … Continue lendo “Somo tudo palaciano”, por Roberto DaMatta.